quarta-feira, 26 de julho de 2017

SANTOS DE CADA DIA- 28 DE JULHO

Santa Afonsa da Imaculada Conceição 


Virgem da Terceira Ordem Regular (1910-1946). Clarissa Terceira de São Francisco de Malabar. Beatificada em Kottayam, Índia, por João Paulo II no dia 8 de fevereiro de 1986.


Annakutty (diminutivo de Ana) Muttathupadathu nasceu em uma aldeia de Kudamalur, na Índia, a 19 de agosto de 1910. Seu batismo foi feito no rito católico siro-malabar.

Foi ela a última de cinco filhos, em uma família cristã de origem nobre. Tendo ficado órfã de mãe aos três meses de idade, foi criada por uma tia materna, recebendo a educação de um tio sacerdote. A avó materna a iniciou na fé, incutindo-lhe o amor pela oração já na primeira infância, pois com a idade de 5 anos já conduzia aos orações noturnas em sua casa, costume do rito oriental ao qual a família pertencia. Aos sete anos recebeu a Primeira Eucaristia, e gostava de comentar com as amigas: “sabem por que estou tão feliz hoje? É porque tenho Jesus no coração”.

A irmã de sua falecida mãe, que a criava, insistia com ela para que se casasse aos 13 anos com um notário (na Índia eram — e continuam sendo — muito comuns os casamentos programados por familiares sem que os nubentes participem da decisão). Porém seu coração já estava entregue a Deus: queria tornar-se religiosa. Chegou a pôr o pé sobre brasas incandescentes (queimando-se gravemente) ao concluir que tornando-se parcialmente desfigurada o nenhum homem se interessaria por ela. O incidente teve o resultado esperado: sua tia desistiu da intenção de casá-la.

Ajudada pelo Pe. James Muricken, que a introduziu na espiritualidade franciscana, ingressou Annakutty no noviciado das religiosas clarissas em 1927, e em 1936 fez a profissão perpétua, tendo por nome religioso Afonsa da Imaculada Conceição (alusão a Santo Afonso Maria de Ligório cuja festividade se comemorava no dia).

Sua constituição orgânica frágil levou-a a passar por muitos sofrimentos físicos, os quais enfrentava com resignação. Um dos calvários pelos quais passou foi o desejo de suas superioras para que ela voltasse para casa, já que sua delicada saúde era considerada um obstáculo para a vida religiosa, mas com a ajuda celeste esse problema foi superado.

A despeito de suas limitações físicas, a penitência era-lhe motivo de admiração: “para cada pequena falta pedirei perdão ao Senhor e a expiarei com uma penitência; sejam quais forem os meus sofrimentos, não me lamentarei jamais, e quando tiver de enfrentar qualquer humilhação procurarei refúgio no Sagrado Coração de Jesus”, registrou Afonsa em seus escritos. A pequena via de Santa Teresinha do Menino Jesus foi o caminho que seguiu, porém em meio a grandes sofrimentos orgânicos que se abateram sobre sua frágil saúde.

Faleceu em 28 de julho de 1946 em Bharananganam (Kerala), no convento das clarissas, pronunciando os nomes de Jesus, Maria e José. Foi ela beatificada por João Paulo II em 8 de fevereiro de 1986 e canonizada por Bento XVI em 12 de outubro de 2008. No momento da canonização, ocorrida no Vaticano, numerosos cristãos, hindus e muçulmanos reuniram-se junto a seu túmulo em Bharananganam.

A sepultura da beata Alfonsa, em Bharananganam, perto de Kottayam, recebe a visita de numerosíssimos fiéis durante o ano.
O primeiro santo da Índia – recorda a CBCI – é o jesuíta Gonzalo García, nascido em Vasai, perto de Bombaim. Foi canonizado em 1862. Morreu mártir em Nagasaki (Japão) em 1597, com São Paulo Miki e outros companheiros.

VIDA DE SÃO NAZÁRIO E SÃO CELSO


Nazário é o mesmo que Nazareno, que significa “consagrado”, “puro”, “discreto”, “florido” ou “guardião”. Celso, “excelso”, elevou-se acima de si mesmo, pois pela força de sua vontade superou sua pouca idade.
Nazário nasceu em Roma, ainda no primeiro século da era cristã. O pai era um pagão e chamava-se Africano. A mãe, de nome Perpétua, era uma católica fervorosa. Enquanto ele desejava tornar o filho um sacerdote a serviço de um dos muitos deuses pagãos, ela o queria temente a Deus, no seguimento de Cristo, por isso o educou dentro da religião católica. Assim, com apenas nove anos de idade, o menino pediu para ser batizado, definindo a questão e sendo atendido pelo pai, que algum tempo depois também se converteu.
Nazário foi batizado pelas mãos do próprio papa são Lino, o primeiro sucessor de são Pedro, que fez dele um dos seus auxiliares diretos. Ingressou no exército romano e com ele percorreu toda a Itália, onde também pregava o Evangelho. Mas, ao ser descoberto, foi levado à presença do imperador, que o mandou prender. Conseguindo fugir, abandonou Roma e tornou-se um pregador itinerante, até que, durante um sonho, Deus lhe disse para sair da Itália.
Assim, foi para a Gália, hoje França, sempre pregando a palavra de Cristo. Em Cimiez, próximo de Nice, depois de converter uma nobre e rica senhora e seu filho, um adolescente de nome Celso, ela confiou o jovem a Nazário, que o fez seu discípulo inseparável. Juntos, percorreram os caminhos da Gália, deixando para trás cidades inteiras convertidas, pois, durante as suas pregações, aconteciam muitos milagres na frente de todos os presentes.
Depois, foram para Treves, atualmente Trier, na Alemanha, onde fundaram uma comunidade cristã que se tornou tão famosa que os dois acabaram sendo denunciados e presos. Condenados à morte, foram jogados na confluência dos rios Sarre e Mosel. E novo milagre ocorreu: em vez de afundar, os dois flutuaram e andaram sobre as águas. Assustados, os pagãos não tentaram mais matá-los, apenas os expulsaram do país.
Nazário e Celso foram, então, para Milão, onde mais uma vez viram-se vítimas da perseguição pagã, imposta pelo imperador Nero. Presos e condenados, desta vez foram decapitados em praça pública.
Passados mais de dois séculos, em 396, os corpos dos dois mártires foram encontrados pelo próprio bispo de Milão, Ambrósio, também venerado pela Igreja. Durante suas orações, teve uma visão, que lhe indicou o local da sepultura de Nazário. Mas, para surpresa geral, a cabeça do mártir estava intacta, com os cabelos e a barba preservados, e ainda dela escorria sangue, como se fora decapitado naquele instante. A revelação foi mais impressionante porque, durante as escavações, também encontraram o túmulo do jovem discípulo Celso, martirizado junto com ele.
Também foi por inspiração de santo Ambrósio que esta tradição chegou até nós, pois ele a contou a são Paolino de Nola, seu discípulo e biógrafo. As relíquias de são Nazário e são Celso foram distribuídas às igrejas de várias cidades da Itália, França, Espanha, Alemanha, África e Constantinopla. Dessa maneira, a festa dos dois santos difundiu-se por todo o mundo católico, sendo celebrados no dia em que santo Ambrósio teve a revelação: 28 de julho.

  ******

JACAREI, 18 DE OUTUBRO DE 2 015 - MENSAGEM DE MARIA SANTÍSSIMA, SÃO GERALDO E SÃO CELSO COMUNICADAS AO VIDENTE MARCOS TADEU





(Maria Santíssima): “Meus queridos filhos, hoje, Eu venho novamente a convidar vocês a abrirem os seus corações para a Minha Chama de Amor. 

Somente quando vocês tiverem a Minha Chama de Amor, como o Meu filho Geraldo teve, vocês poderão fazer coisas grandiosas no mundo como Ele fez. 

Era a Minha Chama de Amor que dava a Geraldo o poder de tocar os corações, de converter os pecadores, de realizar curas, libertações, de mostrar os demônios para os pecadores a fim de que eles se convertessem e não fossem para o inferno, e todos aqueles prodígios que aconteciam na vida do Meu servo Geraldo, todos, todos eles foram produzidos pela Minha Chama de Amor que agia e que operava nele em sumo grau com toda a sua potência. 

Para que isto também aconteça na vida de vocês, devem abrir seus corações à Minha Chama de Amor, que é o próprio Espírito Santo e não opor jamais resistência a essa Chama de Amor. Para que ela verdadeiramente possa irromper poderosa e realizar graça sobre graça para a conversão e a salvação dos pecadores e do mundo. 

Para que vocês tenham a Minha Chama de Amor devem renunciar primeiro ao pecado, devem renunciar ao mundo e libertar-se de tudo que ocupa o lugar da Minha Chama de Amor nos corações de vocês. 

Quando os corações de vocês estiverem esvaziados do mundo, esvaziados da própria vontade, então, a Minha Chama de Amor entrará aí, tomará todo o coração de vocês e realizará através de vocês coisas grandiosas e maravilhosas para a salvação da humanidade. 

A Minha Chama de Amor é a graça das graças, é a benção das bênçãos e é o segredo dos Santos. Porque Eles quiseram a Minha Chama de Amor mais do que tudo, com toda a força da sua vontade e para tê-la deixaram o mundo todo. Eu a dei a eles e foi com esta Chama que eles realizaram os maiores prodígios do Meu Amor e da Minha Graça no mundo. 

Quero realizar as mesmas graças agora, principalmente nesses tempos em que Satanás age fortemente no Mundo, levando a cada hora mais almas para longe de Mim, seduzindo-as para o pecado e para a condenação eterna. Quero agir poderosamente com a Minha Chama de Amor por meio de vocês para salvar os Meus filhos. 

Por isso lhes peço: Abram os corações para a Minha Chama de Amor, deixem-na agir, façam os grupos de oração que Eu pedi por toda a parte, rezando todos os terços que Eu lhes dei Aqui, sobretudo, a Minha Hora da Paz também. E Eu prometo que a Minha Chama de Amor vai agir poderosamente para a salvação de muitos dos Meus filhos. 

Rezem o Rosário com o coração, deixando a Minha Chama de Amor entrar, crescer e irradiar-se dos corações de vocês para todos os corações. 

Continuem rezando todas as orações que Eu dei a vocês Aqui, porque é por meio destas orações que Eu comunicarei a Minha Chama de Amor a vocês e a transmitirei por meio de vocês ao mundo todo. 

Eu amo todos vocês e todos vocês foram escolhidos por Mim mesmo com grande amor para estarem Aqui e fazerem parte do Meu exército de oração, de amor e de salvação.



A todos hoje, Eu abençoo de Fátima, de La Salette e de Jacareí.”
Mensagem de São Celso - 18 de outubro de 2015
(NESTE DIA NOSSA SENHORA TAMBÉM APARECEU COM SÃO GERALDO)

“Amados irmãos Meus, Eu, Celso, servo do SENHOR e da Mãe de DEUS, alegro-Me por vir pela primeira vez a Este Lugar tão amado do SENHOR, da Mãe de DEUS e também por Mim.
Vós não Me conhecíeis, mas Eu vos conheço, vos amo, vos ajudo e vos defendo há muito e muito tempo.
Quero-vos muito bem, amo-vos de todo o Meu coração e vim para dizer-vos: Amai a Mãe do Amor que é Nossa Senhora. Amai-A com todo o vosso coração como o Geraldo A amou, como Eu amei, como todos os Santos amaram. E vós atraireis os Olhos misericordiosos, bondosos e cheios de agrado do PAI ETERNO sobre vós, do filho, JESUS sobre vós, do ESPÍRITO SANTO, o Esposo Divinal Dela sobre vós que vos cobrirão com toda sorte de Bênçãos e de Graças.
Amai a Mãe do Amor, que é Maria e que não é amada por esta humanidade cega, dura de coração, pecaminosa, malvada, ímpia e cruel com a Sua própria Mãe, que lhe foi dada no alto do calvário pelo SENHOR JESUS Agonizante. Esta humanidade, ao invés de agradecer este tão grande Dom do SENHOR, de agradecer esse tão grande presente do SENHOR, pisa nesse presente, despreza este presente e faz sofrer este presente que é a Mãe de DEUS que tanto vos ama.
Ela chora, ninguém tem piedade Dela! Todos sabem que Ela aparece, que Ela dá Mensagens, pede Oração, pede Sacrifício e Conversão, mas, ninguém A atende, ninguém A escuta, ninguém quer mudar de vida, ninguém quer Rezar, ninguém quer fazer nada. Fazem-Na continuamente sofrer, chorar, repetindo as mesmas ofensas e pecados contra DEUS e contra Ela. Esta humanidade malvada em breve será castigada por Nosso SENHOR; esta humanidade que não deu valor a tão grande Dom feito a ela pelo SENHOR.
Amai a Mãe do Amor e não A façais sofrer mais! Tende piedade Dela, que a cada hora vê mais um filho se afastar do Coração Dela, indo pelo caminho do pecado que leva à perdição eterna.
Consolai-A, amai-A, dai a Ela o vosso Coração, o vosso ‘sim’, como o Geraldo fez e como Eu fiz, para secar as Lágrimas Dela com o vosso Amor e a vossa vida, repleta de Oração, repleta do perfeito Amor a DEUS e a Ela e obras santas de Amor.
Amai a Mãe do belo Amor, que vos escolheu Aqui com tanta Bondade e Amor, tirando-vos do mundo e chamando-vos a estardes Aqui na presença Dela, recebendo todas as Suas Graças, todo o Seu Amor, toda a Sua Paz, toda a Sua Benção, especialmente vós, ‘Escravos’ e candidatos a ‘Escravos’ da Mãe de DEUS, amai-A, amai-A com todo o vosso coração, pois se com os leigos Ela foi extremamente Amorosa e Bondosa, atraindo-os do mundo para Ela Aqui, convosco a Misericórdia da Mãe de DEUS foi tão grande que só DEUS pode entender toda esta Misericórdia e toda esta Bondade para convosco.
Vós, no entanto, esforçai-vos por Meditar nisto e para compreender quanto Amor, quanto carinho a Mãe de DEUS teve por vós, escolhendo-vos para serdes os primeiros no Seu Coração e na Sua Casa, os membros da Sua ‘Ordem’ Bendita. E então, pagai Amor com Amor, tudo por tudo e vida por vida.
Eu, Celso, muito vos amo, protejo com Geraldo esta ‘Ordem’, Este Santuário e cada peregrino que Aqui vem Rezar. E todas as vossas lágrimas, gemidos, soluços e dores, todos, todos, todos, Eu os vejo, Eu os recolho, Eu os apresento a DEUS e à Mãe de DEUS para que Eles vos deem o remédio e as Graças consoladoras para vós. E todos os dias ofereço os Merecimentos de Minha vida também por vós, para que o SENHOR e a Mãe de DEUS vos façam grandes Graças de Amor e de Misericórdia.
A todos Eu também abençoo generosamente e com Amor agora.”


Leia mais: http://www.cenaculopermanente.com/vida-dos-santos/sao-celso-e-sao-nazario/

28/07 – Santo Inocêncio

Santo Inocêncio nasceu em Albano Laziale, Roma. Foi Eleito pontífice em 401 e governou a Igreja por 16 anos, em período histórico muito difícil para os destinos do império romano do Ocidente e particularmente para Roma, que em 24 de agosto de 410 foi saqueada por Alarico, prolongando-se por três dias as devastações, mas apesar disso, a autoridade de Santo Inocêncio foi respeitada pelos bárbaros. Santo Inocêncio manteve-se sempre cordial com todas as Igrejas, comunicando-se através de cartas, das quais trinta e seis fazem parte das coleções canônicas, ou cartas encíclicas, que fazem parte do magistério ordinário dos pontífices. Inocêncio I estabeleceu um ponto importante na disciplina eclesiástica, a uniformidade que as várias Igrejas devem ter com a doutrina e as tradições da Igreja de Roma. Zelou pela liturgia sacramental: batismo, reconciliação, unção dos enfermos, indissolubilidade do matrimônio, claramente defendida também nos casos de adultério. Surgiu também durante seu pontificado a heresia de Pelágio, contra a qual Agostinho opôs-se com veemência. A São Jerônimo, que do seu retiro em Belém lhe escrevera para confiar-lhe algumas aflições suas, o Papa respondeu com carta paterna, mostrando que sabia não só reger o leme da barca de Pedro com mão firme, mas também possui coração aberto a compreensão e extremamente acolhedor. Santo Inocêncio morreu a 28 de Julho do ano 417 em Roma, e foi sepultado no cemitério de Ponciano na via Portuense.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.